Acesse agora

Usuario*
Senha*
Lembrar-Me

Criar conta

Campos marcados com um asterisco (*) so obrigatrios.
Nome*
Usuario*
Senha*
Confirmar Senha*
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Oxum Karê

By Babá Sérgio Janeiro 25, 2019 1993 0

Oxum nesta fase está ligada na interação de Ode Ibualamo,seu pai, o grande caçador, e sempre o acompanha nas caças pelas selvas. Karê é uma Oxum jovem, também ligada a Logunede, seu meio irmão.

Eu falei um pouco do seu lagbe no vídeo, acho que foi o suficiente. Ela usa dois keles, sendo um dourado e azul claro de Oxossi e como detalhe um ofá pequeno, junto com braceletes, idés, búzios ...

Come cabra, galinha, coelho, konkém e os pombos são soltos ( como para todas oxuns)

Um detalhe importante não só para esta Oxum, mas para todas outras: na hora do ¨Pa¨ são colocadas duas gemas de ovo em seus igbas ( obs. Não dentro ) representado a fertilidade.

Sua origem:

Kare é filha de Yemanjá com Odé Ibualamo, porém antes de se casar com Yemanjá, Ybualamo viveu com Oxum Yponda e deste casamento nasceu Logum Ede, porém existem também outras iton que contam que tanto Oxum Karê como Odé Karê seriam filhos somente de Yemanjá, nascidos de uma jogada errada de um obi.

Vamos a iton:

Iyemanjá passeava pelas matas quando avistou de longe o pequeno Logun Edé. Ela ficou por horas admirando a beleza do pequenino. Foi até Orumilá, dizendo que queria ter um filho que fosse tão belo quanto ele. O sábio lhe disse que a criança era mágica e encantada, pois era fruto da união e do amor de seus pais. Da mesma forma Iyemonjá estava enlouquecida querendo ter um filho com tal encanto. Orumilá lhe disse que ela deveria pegar um obi, passá-lo no ventre e logo após jogar nas águas. E assim a rainha do mar foi até as águas mais belas e límpidas, passou o obi em seu ventre, mais na hora de jogar na cachoeira, ela atirou errado e o obi caiu em cima de uma pedra, que o dividiu ao meio, ainda metade nas águas e a outra metade no mato. E passando – se 9 meses, Iyemanjá deu a luz a um casal de gêmeos, e deu- lhes o nome de Oxum Karê e Odé Karê, e ambos eram tão belos e encantados como Logun Edé. As crianças cresceram travessas, Oxum se vestia como Odé , e Odé como Oxum, e por isso ninguém nunca sabia quem era quem. Aprenderam a arte da caça, por isso ambos levam o ofá ( arco e flecha ). Em sua aldeia, quando estava na temporada de caça, Oxum Karê ao invés de ficar lá com as mulheres preparando a colheita e a lenha, ela ia para as longas caçadas com seu irmão e com os demais caçadores de sua aldeia. Odé ao invés de caçar apenas nas matas com os outros, passou a se embrenhar pelos rios e cachoeiras se tornando junto dela um ótimo pescador... Assim o desejo de yemonjá se realizou, pois Orumilá lhe deu dois encantos caçadores das águas! Até hoje muitos acreditam que certa vez houve uma grande seca, acabando com os rios e animais, e por tamanha tristeza os Karê’s tornaram-se um só, juntando assim o obi novamente... Por isso os filhos de Karê são doces como Oxum e destemidos como Oxossi, por que são orixás individuais, mais quando necessário tornam – se uma só força, uma só magia, um só encanto!

Existe, sem dúvida, a polêmica da questão que envolve a multiplicidade de orixás no Brasil, porém, eu Baba Sérgio de Ajunsun tenho a minha opinião formada.

Começando pela origem:

Escritores como Benistes, Augras, Bastides... todos concordam que, na origem, apenas os elementos da natureza eram adorados, a água, a terra, a árvore, o fogo... Com o passar dos tempos criou-se a necessidade de se personificar esses elementos e algum ponto da história eles tomaram forma da figura humana. Beniste, em sua mais recente obra: Mitos Yorubas, já no primeiro capítulo narra o seguinte:

No tempo primitivo das origens, o homem via a natureza como um drama único vivido num cenário onde atuavam animais, plantas, vento, água, e todos os demais elementos que formavam a riqueza do Universo. O mundo dos mitos é pleno dessas forças e ações, mesmo sendo elas conflitantes.

Na literatura mítica, esses objetos da natureza são apresentados sob a forma humana...

Falando-se do Elemento Oxum e se nos basearmos que essa seria o elemento água daquele Rio, e se nos levarmos pela Geografia daquele local, então encontraremos 16 cidades diferentes louvando oxum nessas 16 formas. Esse Rio nasce em Oshogbo, onde se louva Oxum de uma forma, a segunda cidade é Opará, onde Oxum é louvada como Yeye Opara e todos os seus mitos e ritos se modificam da primeira, a terceira cidade é Yponda, onde se louva yeye Yponda e assim por diante. Então se nos transportarmos para a origem, veremos que aquele povo de Ijexá não louvaria aquele Rio, mas sim várias partes dele.

O povo que foi trazido para o Brasil a partir de 1750 já trouxe sua crença divida, isso não ocorreu no Brasil e na formação do Candomblé, não só o povo de Ijexá, mas também os de Ketu, Oyó entre os demais foram respeitados na maneira de louvar seus deuses, sendo assim as várias regiões levaram suas crenças para dentro de uma só casa, aparecendo aqui, essas variações de uma mesma divindade, com o nome de qualidade.

Uma outra situação que eu não trouxe no vídeo, mas também deveria estar em evidência:

Os Britânicos estiveram em poder desta Região desde o ano de 1850 até 1960. Este bairro Kare teve seu nome de origem baseado no verbo em Inglês CARE ( DE TO CARE = CUIDAR ) CUJA PRONÚNICA É KÉRe e passou a ser escrito na língua local com a letra ¨K¨ e chegou ao Brasil com a pronúncia carê. Sendo assim, também poderiámos estar afirmando que Oxum Kare seria a Oxum louvada, segundo o povo daquela cidade de Lage, na Nigéria.

Peço que assistam o vídeo A Formação do Candomblé no Brasil, aqui mesmo nesta página ou acessem: http://www.youtube.com/africadehoje para terem uma melhor compreensão desta minha visão.

Daqui por diante estarei falando daquilo que foi ensinado pelos antigos, aqueles que merecem o mérito de serem chamados de heróis pelo fato de ter feito essa religião ter sobrevivido até os dias de hoje.

Agora tentemos entender esse dois sentidos da sua origem:

Kare é um bairro localizado em Lagos na Nigéria, próximo aos templos de Osogbo, Ilobu e Abeokuta.

Osogbo tem o Culto a Oxum, Ilobu tem o culto a Odè Iboalamo e Abeokuta tem o Culto a Yemanjá.

Veja que, por o bairro, o Culto a Kare estar localizado muito próximo dessas duas outras cidades podem ter sofrido a influência de desses dois cultos ( Ibualamo e Yemanjá )

 

Belford Roxo, RJ, 01/04/2012


Mais para pesquisa:

Texto adaptado

"POLÊMICAS QUALIDADES DE ORISA"

Existe sem duvida no Brasil uma questão muito polêmica sobre as multiplicidades dos orisas chamada por todos de qualidade de santo.

Primeiro na África fica mais fácil o entendimento porque não há qualidade de Orisa,ou seja, em cada região cultua-se um determinado orisa que é considerado ancestral dessa região e, alguns orisas por sua importância acaba sendo conhecido em vários lugares como é o caso de Sàngó, Orumila, etc. é de se saber que Esu é cultuado em todo território africano.

Veja bem: Osun da cidade de Osogbo é Osun Osogbo, da região de Iponda é a Osun de Iponda, Ogún da região de ire é Ogún de Ire (Onire: chefe de ire), do estado de Ondo é Ogún de Ondo,etc.

Na época do tráfico de escravos veio para o Brasil diversas etnias Ijesas, Oyos, Ibos, Ketus,etc e cada qual trouxe seus costumes juntos com seus orisa digamos particulares, e após a mistura dessas tribos e troca de informações entre eles cada sacerdote ou quem entendia de um determinado orisa trocaram fundamentos e a partir daí surge as qualidades, e essa quantidade de orisa presente aqui no Brasil, sendo que o orisa é o mesmo com origens diferenciadas.

É claro que por ter origens diferenciadas seus cultos possuem particularidades religiosas e até mesmo culturais por exemplo Oyá Petu tem seus fundamentos assim como Oyá Tope terá o seu, isso nada mais é, que uma passagem do mesmo orisa por diversos lugares e cada povo passou a cultuá-lo de acordo com seus próprios costumes. Um exemplo mais nítido é que aqui fazemos muitos pratos para Osun com feijão fradinho, entretanto num determinado país não há esse feijão portanto foi substituído por um grão semelhante e assim puderam continuar com o culto a Osun sem a preocupação de importar o feijão fradinho.

Outro exemplo de orisa transformado em qualidade no Brasil é Osun kare, Kare é uma louvação à Osun quando se diz: Kare o Osun! A palavra kare também é uma espécie de bairro na África, logo Osun cultuada em kare é Osun kare, e por vai surgindo desordenadamente essa quantidade de orisa aqui no Brasil. Imagine um rio que atravessa todo território Nigeriano e, em suas margens diversas etnias que num determinado local algumas pessoas diria que ali é a morada de Osun Ijimu (cidade de Ijumu na região dos Ijesa), mais para frente em Iponda diria aqui é a morada de Osun Iponda, mais para frente, em Ede esse rio terá o culto de Ologun Ede, o chefe de guerra de Ede segundo sua mitologia, e serão diversos orisas cultuados num mesmo rio por diversas etnias com pequenas particularidades. Isso acontece com todos orisas e suas mitologias fazem alusão a essas passagens e constantes peregrinação de seus sacerdotes quer por viajens comercias ou por guerras intertribais sempre espalharam seus orisas em outras regiões.

Outro fato interessante é títulos que algumas divindades possuem e foram transformadas em qualidades, por exemplo Ossosi akeran, akeran é um titulo de um determinado caçador (ancestral) com isso vamos na próxima edição analisar esses fatos e informar todas qualidades de orisa da nação keto que o sacerdote pode ou não mexer de acordo com o conhecimento de cada um, pois o nosso dever é informar sem a pretensão de nunca ser o dono da verdade Na próxima edição vamos diferenciar, títulos de nomes de cidades, nomes tirados de cânticos que as pessoas insistem em dizer que é qualidade de orisa.

SOBRE A MULTIPLICIDADE DOS ORISA.

Vamos separar a qualidade como é chamada no Brasil ( em Cuba chama-se caminhos ), dos títulos e de nomes tirados de cantigas como insistem pseudo sacerdotes. Já sabemos que os orisa são venerados com outros nomes em regiões diferentes como: Iroko (Yoruba), Loko (Jeje), Sango (Oyo), Oranfe (Ife), isso torna o culto diferente. Temos também o segundo nome designando seu lugar de origem como Ogun Onire (Ire), Osun Kare (Kare),etc, também temos os orisa com outros nomes referentes as suas realizações como Ogun Mejeje refere-se as lutas contra as 7 cidades antes dele invadir Ire, Iya Ori a versão de Iyemanja como dona das cabeças, etc. Há portanto uma caracterização variada das principais divindades, ou seja, uma mesma divindade com vários nomes e, é isso que multiplica os orisas aqui no Brasil.

Vamos começar com Esu o primogênito orisa criado por Olorun de matéria do planeta segundo sua mitologia, ele possui a função de executor, observador, mensageiro, líder, etc. Alem dos nomes citados aqui que são epítetos e nomes de cidades onde há seu culto, ele será batizado com outros nomes no momento de seu assentamento, ritual especifico e odu do dia. Não será escrito na grafia Yoruba para melhor entendimento do leitor.

Oba Iangui: o primeiro, foi dividido em varias partes segundo seus mito.

Agba: o ancestral, epíteto referente a sua antiguidade.

Alaketu: cultuado na cidade de ketu onde foi o primeiro senhor de ketu.

Ikoto: faz referencia ao elemento ikoto que é usado nos assentos esse objeto lembra o movimento que esu faz quando se move do jeito de um furacão.

Odara: fase benéfica quando ele não está transitando caoticamente.

Oduso: quando faz a função de guardião do jogo de búzios.

Igbaketa: o terceiro elemento, faz alusão ao domínios do orita e ao sistema divinatório.

Akesan: quando exerce domínios sobre os comércios.

Jelu: nessa fase ele regula o crescimento dos seres diferenciados. Culto em Ijelu.

Ina: quando e invocado na cerimônia do ipade regulamentando o ritual.

Ona: referencia aos bons caminhos, a maioria dos terreiros o tem, seu fundamento reza que não pode ser comprado nem ganhado e sim achado por acaso.

Ojise: com essa invocação ele fará sua função de mensageiro.

Eleru: transportador dos carregos rituais onde possui total domínio.

Elebo: possui as mesmas atribuições com caracterizações diferentes.

Ajonan: tinha seu culto forte na antiga região Ijesa.

Maleke: o mesmo citado acima.

Lodo: senhor dos rios, função delicada dado a conflitos de elementos.

Loko: como ele é assexuado nessa fase tende ao masculino simbolizando virilidade e procriação.

Ogiri Oko: ligado aos caçadores e ao culto de Orumila-Ifa.

Enugbarijo: nessa forma esu passa a falar em nome de todos os orisas.

Agbo: o guardião do sistema divinatório de Orumila.

Eledu: estabelece seu poder sobre as cinzas, carvão e tudo que foi petrificado.

Olobe: domina a faca e objetos de corte é comum assenta-lo para pessoas que possuem posto de Asogun.

Woro: vem da cidade do mesmo nome.

Marabo: aspecto de esu onde cumpre o papel de protetor Ma=verdadeiramente, Ra=envolver, bo=guardião. Também chamado de Barabo= esu da proteção, não confundi-lo com seu marabo da religião Umbandista.

Soroke: apenas um apelido, pois a palavra significa em português aquele que fala mais alto, portanto qualquer orisa pode ser soroke.

Ogún, Òsòósí e Odelembrando que nem todos caçadores tomaram o titulo de Òsòósí e, na África, Òsòósí em certas regiões é feminino tomando o aspecto masculino no antigo reino de Ketu.

Ode quer dizer caçador, porém, nem todos Ode's são Òsòósí; Ijibu Ode, Ikija, Agbeokuta, são alguns lugares onde houve seu culto, pois seu culto, expandiu-se mesmo aqui no Brasil onde ele é lembrado como rei de Ketu, Ogún em outro aspecto foi chefe dos caçadores (Olode) entregando essa função mais tarde para seu irmão caçula Òsòósí para partir em buscas de suas inúmeras batalhas. Já em certas mitologias o caçador passa a ser sua esposa Òsòósí L`Obirin Ogun, ou seja, Òsòósí é a esposa de Ogún, segundo o verso desse mito.

Isso afirma o chamado enredo de orisa aqui no Brasil quando se diz que para assentar Òsòósí temos que assentar Ogún e vice versa. Era costume africano quando os caçadores tinham que partir em busca de suas presas, louvarem Ogún para que tudo desse certo, de òrìsà secundário na África Òsòósí, passou a uma condição importantíssima no Brasil sendo òrìsà patrono da nação Keto, senhor absoluto da cerimônia fúnebre do asesé, alguns cânticos fazem alusão a essa condição:

Ode lo bi wa, ou seja, o caçador nos trouxe ao mundo.

Eis alguns nomes de Ogún/Òsòósí/Ode conhecidos, sobretudo no Brasil e seus aspectos, características, origem e particularidades:

Ogún Olode: epíteto do òrìsà destacando sua condição de chefe dos caçadores.

Ogún Je Ajá ou Ogúnjácomo ficou conhecido: um de seus nomes em razão de sua preferência em receber cães como oferendas, um de seus mitos o liga a Osagìyán e Ìyémojá quanto a sua origem e como ele ajudou Osalá em seu reino fazendo ambos um trato.

Ogún Meje:aspecto do òrìsà lembrando sua realização em conquistar a sétima aldeia que se chamava Ire (Meje Ire) deixando em seu lugar seu filho Adahunsi.

Ogun Waris: nessa condição o òrìsà se apresenta muitas vezes com forças destrutivas e violentas. Segundo os antigos a louvação patakori não lhe cabe, ao invés de agradá-lo ele se aborrece. Um de seus mitos narram que ele ficou momentaneamente cego.

Ogún Onire: Quando passou a reinar em Ire, Oni = senhor, Ire = aldeia.

Ogún Masa:Um dos nomes bastante comum do òrìsà, segundo os antigos é um aspecto benéfico do òrìsà quando assim ele se apresenta.

Ogun Soroke:apenas um apelido que Ogún ganhou devido a sua condição extrovertida, soro = falar, ke= mais alto. Nossa historia registra o porque o chamam assim.

Ogún Alagbede: nesse aspecto o òrìsà assume o papel de pai do caçador e esposo de Ìyémojá Ogunte (uma outra versão de Ìyémojá) segundo um de seus inúmeros mitos. Há vários nomes de Ogún fazendo alusão a cidade onde houve seu culto como Ogún Ondo da cidade de Ondo, Ekiti onde também há seu culto, etc. O òrìsà possui vários nomes na África como no Brasil e com isso ganha suas particularidades e costumes. Ode/Osossi.

Há uma síntese sobre esse orisa na edição anterior, eis então suas várias formas de se apresentar:

Osossi akeran= um titulo do orisa;

Ossosi Nikati= um de seus nomes;

Osossi Golomi= um de seus nomes;

Ossosi fomin= um de seus nomes;

Ossosi Ibo= um de seus mitos o liga a Ossain;

Ossosi Onipapo= um dos antigos, tem culto a mais de um século no país;

Ossosi Orisambo= possui seu assentamento diferente dos demais;

Ossosi Echeui/Echeue= seu mito o liga a Ossayn e as vezes a Osalá segundo os "antigos";

Osossi Arole= uns de seus epítetos;

Ossosi Obaunlu= segundo registro há um assentamento deste orisa aqui no Brasil desde 1616.

Ossosi Beno= um dos mais antigos, detalhe tem assento aqui em São Paulo, cidade considerada emergente para tradições do candomblé Keto, com poucas casas antigas.

Ossosi DanaDana= aquele que ateou fogo ou roubou, um epíteto dos mais perigosos dado ao caçador.

Ode Wawa= epíteto do caçador;não se tem notícia do seu culto no Brasil;

Ode Wale= epíteto do caçador, não se tem notícia de seu culto no Brasil;

Ode Oregbeule= é um Irunmale, portanto acima do orisa foi um dos companheiros de Odudua em sua chegada na terra segundo sua mitologia;

Ode Otin= outro caçador confundido com Ossosi, sua lenda o identifica ora como uma caçadora ora como um caçador, contudo sua ligação com Ossosi é fato, Otin se apresenta sempre junto com ele a ponto de confundi-los;

Ode Karo= um do caçadores que também mora as margens de um rio é irmão de igidinile.

Ode Ologunede= o chefe de guerra de Ede, titulo ganho quando seu pai o entregou aos cuidados de Ogún;

Olo= senhor,gun = guerra, Ede = um lugar na áfrica.É filho de um outro caçador chamado Erinle tendo como mãe Osún Iponda. O posto de asogun, a priori, surge desse mito que o liga a Ogún companheiro de seu pai.

Possui outros nomes como Omo Alade, ou seja, o príncipe coroado. Não há qualidades de Logun como acreditam alguns tais como locibain, aro aro, etc., são apenas nomes tirados de cânticos, aliás aro quer dizer tanta coisa menos nome de orisa. O nome Ibain é de um outro caçador homenageado nos cânticos de Ologun, esse caçador inclusive é o verdadeiro proprietário dos chifres tão importantes no culto. Oba L`Oge é outro nome para esse orisa. É da região de Ijesa;

Ode Erinle= outro caçador confundido com Osossi no Brasil. Seu assento é completamente diferente dos demais, pois Erinle ou Inle é um orisa do rio do mesmo nome, o rio Erinle que corta a região de Ilobu na Nigéria.

Encontra-se seus mitos no odu Okaran-Ogbe e Odi-Obara. Sua esposa é Abatan pois é considerado médico e ela enfermeira, seu culto antecede o de Ossayn, o pássaro os representam. Ibojuto é a sua própria reencarnação representado pelo bastão que vai em seu assentamento e tem a mesma importância do Ofa de Ossosi.

Tem uma filha chamada Aguta que às vezes se apresenta como irmã ou como filha sendo sua mãe Ainan. Ode Otin se apresenta como sua filha, às vezes e ai é representado por uma enguia. Ainda temos Boiko como seu guardião, Asão seu amigo e Jobis seu ajudante. No Brasil o ligam a Osun e a Iyemoja pois segundo sua lenda é pela boca dela que ele fala, Erinle é um orisa andrógino e considerado o mais belo dos caçadores;

Ode Ibualama= uma outra versão para Erinle quando ele se apresenta mais ao fundo do rio, há um templo com esse nome na África fazendo alusão ao seu fundador. Aliás há vários templos mas todos são de um orisa só: Erinle nessa situação o caçador traça um outro caminho e pactua seus mitos com Omolu, Osumare, Nana,etc. A montagem de seu Igba (cuia) também difere de um simples alguidar com um ofa para cima como é comum as pessoas não esclarecidas assim fazer.

OSSAYN, OMOLU, OLUAYE, OSUMARE, NANAN E IROKO.

Ossaniyn = Também chamado Baba Ewe, Asiba, que são epítetos do orisa. Possui seu próprio sistema divinatório; o orisa exerce suas funções interligadas a Esu composto ao mesmo tempo em que ele. Kosi ewe, kosi orisa: Sem folhas, sem orisa.

Osumare = Chamado Araka seu epíteto. É o orisa do arco-íris e da transformação, não deve ser confundido com o vodun Becem que se apresenta como Dangbe, Bafun, Danwedo todos da família Danbira e cultuados em outra nação.

Omolu / Obaluaye= É como se apresenta o orisa sapata transmutando-se para formas conhecidas tais como: Agoro, Telu, Azaoni, Jagun, Possun, Arawe, Ajunsun, Afoman, etc, cada qual com suas particularidades.

Nanan = apresenta-se nas formas conhecidas como: Iyabahin, Salare, Buruku, Asainan, sem culto no Brasil. É sempre bom lembrar que muitos nomes são de lugares onde se cultua o orisa. Por exemplo: Ajunsun é o Rei de Savalu, assim como Dangbe é o Rei do Gege, portanto são nomes que dão origem as suas formas :

Iroko= orisa da gameleira (no Brasil), controla a hemorragia humana. IYABAS SÃO OS ORISA FEMININO.

Oba= orisa guerreira é única em seu aspecto.

Iyewa = orisa guerreira única em seu aspecto.

Osún Opara= a orisa se apresenta jovem e guerreira.

Osún Iponda= jovem e guerreira, da cidade de Iponda.

Osún Ajagura= jovem e guerreira, nação nagô - Oyo, Pernambuco.

Osún Aboto= aspecto maduro da orisa.

Osún Ijimu= aspecto idosa e dada as feitiçarias, ligação com Iami Eleye.

Osún Iberin= aspecto maduro da orisa, nessa forma não desce nas cabeças.

Osún Ipetu= aspecto maduro da orisa.

Osún Ikole= seu mito a liga a Iemanjá e Ode Erinle, transformou-se numa ave.

Osún Popolokun= Conta os antigos que não vem mais, será?

Osún Osogbo= ela deu oringem ao nome da cidade de Osogbo.

Osún Ioke= Se apresenta como caçadora.

Osún Kare= Um de seus títulos, Kare tem seu próprio nome que poucos conhecem.

Iyeyeo Ominibu= epíteto da Osún.

Iyemoja Ogunte= orisa se apresenta jovem e guerreira.

Iyemonja Iyasesu= assume a maternidade de Sàngó é ranzinza e respeitável.

Iyemoja Saba= uma das formas da mãe.

Iyemoja Maleleo= não se obteve noticias desse aspecto no Brasil.

Iyemoja konla= seu mito conta que ela afoga os pescadores.

Iyemoja Ataramaba= Nessa forma ela está no colo de sua mãe olokun.

Iyemoja Ogunde= aspecto da orisa cultuado no Nagô em Pernambuco.

Iyemoja Iyá Ori= nessa forma ela assume todas as cabeças mortais.

Iyamase = forma de quando ela é definitivamente mãe de Sàngó.

Iyemoja Araseniyn= fuxico com Ossaniyn.

Oyá Leseyen= uma das Igbales que mora no próprio Lesseyen.

Oyá Egunita= orisa Igbale.

Oyá Foman = orisa Igbale.

Oyá Ate Oju= orisa Igbale aspecto dificil de Oyá quando caminha com Nana.

Oyá Tope= uma de suas formas.

Oyá Mesan= um de seus epítetos.

Oyá Onira= rainha da cidade de Ira.

Oyá Logunere= uma de suas formas.

Oyá Agangbele= esse caminho mostra a dificuldade quando a geração de filhos.

Oyá petu= nesse aspecto ela convive com Sàngó.

Oyá Arira= uma de suas formas.

Oyá Ogaraju= uma das mais antigas no Brasil.

Oyá doluo= eró ossaniyn; culto Nagô.

Oyá Kodun= eró com Osagian.

Oyá Bamila= eró Olufon.

Oyá Kedimolu = eró Osumare = Omolu.

Pedido para a construção do site:

Gostaria que você leitor deixasse sua dúvida para que continuemos a falar de Odè e Oxum Kare ( Carê )

Avalie este item
(1 Votar)
Última modificação em Sexta, 25 Janeiro 2019 13:29

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Populares

Oxum Karê

Oxum Karê

25 Jan, 2019 Oxum

Ad Sidebar
045315
Hoje
Ontem
Total
43
177
45315

IP: 3.227.233.78
19 Outubro, 2019

Quem está online

Temos 195 visitantes e Nenhum membro online

A Formação do Candomblé no Brasil

O Jogo de Búzios

A Criação do Universo

A Supremacia de Ori

Acarajé