Acesse agora

Usuario*
Senha*
Lembrar-Me

Criar conta

Campos marcados com um asterisco (*) so obrigatrios.
Nome*
Usuario*
Senha*
Confirmar Senha*
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Oxum Opará

By Babá Sérgio Janeiro 25, 2019 536 0

Esta Oxum se difere das demais oxuns por ser a mais jovial, a mais guerreira, também por usar duas armas o abebe, que cega os inimigos na hora da guerra e a adaga.

Onde houver a disputa entre as águas, como na pororoca, nos encontros dos rios... lá vai estar essa oxum.

Não se assenta essa oxum sem que se assente Oya, Ogum e Exu, logo abaixo vou trazer as iton que justificam.

Ela pertence a dois, dos quatros elementos básicos da criação do universo:( terra, água fogo e ar ), nela está presente o elemento água, o que confere em suas filhas o arquétipo de Oxum e também o elemento ás, o que confere a personalidade do orixá do elemento ar, Oya.

O Arquétipo das filhas de Opara:

Ora apresenta o arquétipo do elemento ar ( iasã ) ora do elemento água 9 da própria oxum )

Suas filhas são autenticas e de personalidade forte, carregam consigo as magoas e tristezas da vida, tem poucos amigos e sempre são ponderadas e justas, onde muitas vezes a sua sinceridade chega a machucar. São vaidosas porém não vivem em pró a seu ego. Tem um lado espiritual muito aflorado para o ocultismo e adoram presentear as pessoas.

Características Negativas: chantagistas, choram para ter a piedade dos outros, dramáticos, são matreiros, debochados, possessivos, exigentes, ciumentos, autoritários. Gostam de palpitar sobre os problemas alheios, adoram criticar.

Explicações pela lenda:

lenda de Oxum - Oxum Opará tem inveja de Oyá

"Vivia Oxum no palácio em Ijimu, passava os dias no seu quarto olhando seus espelhos, eram conchas polidas onde apreciava sua imagem bela.

Um dia saiu Oxum do quarto e deixou a porta aberta, sua irmã Oyá entrou no aposento, extasiou-se com aquele mundo de espelhos, viu-se neles.

As conchas fizeram espantosa revelação a Oyá, ela era linda! A mais bela! A mais bonita de todas as mulheres! Oyá descobriu sua beleza nos espelhos de Oxum, Oyá se encantou, mas também se assustou: era ela mais bonita que Oxum, a Bela.

Tão feliz ficou que contou do seu achado a todo mundo, e Oxum Opará remoeu amarga inveja, já não era a mais bonita das mulheres, vingou-se.

Um dia foi à casa de Egungun e lhe roubou o espelho, o espelho que só mostra a morte, a imagem horrível de tudo o que é feio, pôs o espelho do Espectro no quarto de Oyá e esperou, Oyá entrou no quarto, deu-se conta do objeto, Oxum trancou Oyá pelo lado de fora, Oyá olhou no espelho e se desesperou.

Tentou fugir, impossível, estava presa com sua terrível imagem, correu pelo quarto em desespero, atirou-se no chão, bateu a cabeça nas paredes, não logrou escapar nem do quarto nem da visão tenebrosa da feiúra. Oyá enlouqueceu, Oyá deixou este mundo. Obatalá, que a tudo assistia, repreendeu Apará e transformou Oyá em orixá. Decidiu que a imagem de Oyá nunca seria esquecida por Oxum. Obatalá condenou Apará a se vestir para sempre com as cores usadas por Oyá, levando nas jóias e nas armas de guerreira o mesmo metal empregado pela irmã."

A outra explicação que eu teria é que essa santa/orixá não estaria ligada a somente a um dos elementos e sim a dois, como falei anteriormente.

Sua vestimenta:

Essa oxum usa o azul clarinho e o dourado, usa braceletes e uma couraça (aqui por ser uma Oxum guerreira ), usa uma argola dourada no pescoço, em sua roupa o baba/iya também pode estar colocando objetos de ferro ornamentando esta roupa.

- A íton fala que a jóia foi inventada por Oxum, mas criada por Ogum Waris, esta mesma íton afirma que esse Ogum seria filho de Opara e Ogum Alagbedè.

- Já o oriki fala que Oxum antes de cuidar de seus filhos cuidaria da sua jóia e que seu primeiro filho seria Idé, aqui no sentido daquela argola de metal que temos que colocar em todo Yawo de Oxum, então por analogia eu entendo que Opará dá um nome próprio para Ogum Waris, ela o chamaria de Idè e também sendo ela a mais jovens de todas as oxuns também justificaria o idè ( aqui na forma de argola), eu Baba Sérgio de Ajunsun posso estar afirmando que, mesmo ainda não se encontrando em nenhuma obra, então, por analogia:

As oxuns tem suas idades, segundo a localização do Rio Oxum:

- A Cidade de Opara é a segunda cidade no decorrer deste Rio e, coincidentemente Yeye Opara é vista como a mais jovial de todas;

- A Cidade de yponda é a segunda cidade no decorrer deste Rio e também ali ocorre o culto a Oxum, aqui no Brasil vindo como qualidade de yeye Yponda;

- A cidade de Ypetu é a terceira e assim por diante...

Então quando recolhemos um yawo de Oxum, jamais esquecemos de colocar em seu braço a idé ( argola ), veja aqui que se levarmos em conta que os primeiros cultos foram na Cidade de Opara, então esta mesma iton que comparei acima o Idé como sendo o próprio Ogum Waris, então este crença também teria se estendido a todas as outras oxuns, mesmo para aquelas que não tem caminho com Ogum.

Uma das ligações entre Oxum Opara e os caminhos Alagbede e Waris podemos encontrar nesta iton:

Oxum Opara inventa a jóia:

Diz à lenda que OSUN individualista, tinha que ser soberana e tirar proveito em tudo, com isso, usava seus feitiços para conseguir tudo que queria. Cansada de contratar os serviços feitos por OGUN AlÁBÈDÉ (Deus da Guerra e da Forja – Ferreiro do Céu), que muitas vezes não eram concretizados, pois OGUN além da forja, guerreava mundo a fora. Com isso, OGUN não dava conta de confeccionar tudo que a Deusa desejava. Furiosa... OSUN decide se vingar:

Um dia OGUN ALÁBÈDÉ retornava da guerra com o corpo totalmente lavado de sangue(EJÉ) humano, isso estava levando-o a loucura, sua razão não mais existia, seu reconhecimento falho, foi quando ele passando próximo de um rio, e é chamado por uma Senhora. Era OSUN...

- OGUN...(chama OSUN), venha até minhas águas para que eu te alivie deste Asó Ejé (roupa de sangue) que vos deixa tão mal.

-Venha a mim senhor da Guerra, deixe minhas águas te tocar...

O interesse de OSUN era conquistar OGUN, no intuito de conseguir o segredo de manipular os metais para a confecção de suas jóias e armas. Tendo este conhecimento a mesma não iria precisar mais dos serviços do Senhor da Guerra e dos Metais.

- Quem sois bela ninfa, o que queres do mim o Grande Guerreiro? Por acaso acha que devo me banhar? Não lhe agrado assim com todo meu asé exposto? O que vês é o que sobrou de meus inimigos! Não sirvo para seu deleite estando vitorioso?

Sutilmente a Senhora das Águas rebate as palavras do Grande Orisá primordial:

- Sou OSUN, Grande Guerreiro... Deforma alguma meu Senhor...., como é que posso me deleitar com sua vitória se tu encontra-se tão longe de mim, não ha lugar melhor do que minhas águas para nosso colóquio...

- Venha, OGUN, venha...

- Venha ver o que de bom tem minhas Águas.

Enfeitiçado pelos encantos de OSUN, OGUN se aproxima das águas límpidas, arfante, olhos esgazeados, vacilava...

- Venha OGUN... Torna OSUN, toque um pouco em minhas águas e verás que está o seu gosto.

OGUN então deixa a ponta de seus pés tocarem as águas, e com um comando de OSUN esta se levanta, como um chafariz, elevando OGUN nas alturas e o lavando de todo o sangue que trazia no corpo...

O Sol, já iniciava sua jornada de repouso, mas seus raios refletiam, sobre OGUN sendo almejava pelas gotículas de água que o envolvia, OGUN então se deixa dominar, pela força da luz do sol daquela tarde, em contra partida as águas do rio que estavam vermelhas, estando também banhadas pelas luzes do Sol, OSUN então encanta e domina OGUN, iniciando um grande laço de sangue, sexo, amor e sedução. Aproveitando a situação OSUN absorve parte do asé guerreiro de OGUN, e neste instante em que a natureza se encarrega de fazer a sua função unindo a força de ambos que se fundia, situação esta que fez OSUN ser fecundada por OGUN ALÁBÈDÉ. Terminado o ato, OGUN ALÁBÈDÉ segue a estrada rumo a cidade de Irê. Assim a Senhora das Águas calmas recebe o título de Guerreira sob o nome de OSUN OPÁÀRÁ que significa: "Aquela que sustenta (Opá ) o sangue no corpo ( àrá )”. Passada as nove luas, OSUN OPÁÀRÁ dá a luz a um menino e da lhe o nome de OGUN WARI (o Senhor dos Metais Amarelos). OSUN criou OGUN WARI cercado de mimo, vaidade, jóias e muito luxo. Já adolescente OGUN WARI começa a dar sinais de interesse em manipular os metais, herança genética de seu Pai OGUN ALÁBÈDÉ. OSUN percebendo tal situação começa a estimular cada vez mais OGUN WARI, dando-lhe “toneladas” de ouro, em que o mesmo derretia e transformava em lindas jóias e armas. Tornando-o Grande Ferreiro do Palácio de OSUN. Deslumbrada com tal fato OSUN se sente satisfeita e vingada de OGUN ALÁBÈDÉ e decide levar OGUN WARI até a cidade de Irê para apresentá-lo a seu Pai. Chegando em Irê OSUN adentra a cidade cantando e dançando a seguinte cantiga:

YEYÊ O MUREJÔ, JINGUELÊ, JINGUELÊ MUREJÔ...
YEYÊ O MUREJÔ, JINGUELÊ, JINGUELÊ MUREJÔ...

Dançando, sacudindo, e batendo seus idés, erguendo seu abèbé e sua espada OSUN se apresenta, assustado e sem entender nada OGUN ALÁBÈDÉ se aproxima e pergunta a OSUN o por que de tal afronta. Ironicamente OSUN responde, lembra-te OGUN ALÁBÈDÉ o quanto me humilhei e corri atrás de seus serviços e não fui respondida, pois bem, depois daquela tarde maravilhosa que tivemos, descobri que tinha sido agraciada e que eu esperava um filho teu, chamado de OGUN WARI, que nasceu, esta sendo criado em minha cidade e lá permanecerá. Em seguida OSUN OPÁÀRÁ chama seu filho OGUN WARI e lhe apresenta a seu pai. OGUN ALÁBÈDÉ reconhece seu filho. Daí OSUN OPÁÀRÁ se vira para OGUN WARI e diz: - Vamos embora meu filho, não temos mais nada para fazer aqui. Logo OSUN OPÁÀRÁ agradece OGUN ALÁBÈDÉ por ter dado a ela um filho com os mesmos dotes de seu Pai e que graças a isso ela não precisaria mais dele. OGUN ALÁBÈDÉ seguiu em direção a sua casa. OSUN OPÁÀRÁ e OGUN WARI voltaram para a cidade de Osogbô

Todos os Direitos Reservados.

Belford Roxo, 18 de março de 2012
Baba Sérgio de Ajunsun.

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Sexta, 25 Janeiro 2019 13:42

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Populares

Oxum Karê

Oxum Karê

25 Jan, 2019 Oxum

Ad Sidebar
045296
Hoje
Ontem
Total
24
177
45296

IP: 3.227.233.78
19 Outubro, 2019

Quem está online

Temos 176 visitantes e Nenhum membro online

A Formação do Candomblé no Brasil

O Jogo de Búzios

A Criação do Universo

A Supremacia de Ori

Acarajé